◄ Voltar
Temporada

Piano extraordinário: Ana Telles

18 de Jun. de 2016 21:30

O'culto da Ajuda
Lisboa, Portugal

Ciclo de Piano no O’culto da Ajuda integrado nas Festas de Lisboa 2016

 

4 extraordinárias mulheres pianistas mostram do que o extraordinário piano é capaz nos séculos XX e XXI. Um percurso musical com obras emblemáticas do repertório e obras portuguesas do nosso tempo através da excelência instrumental de 4 mulheres que se destacam no panorama musical português da actualidade.

4 recitais ao sábado durante o mês de Junho, nos dias 4, 11, 18 e 25 às 21h30 no O’culto da Ajuda protagonizados por Anne Kaasa, Elsa Silva, Ana Telles e Joana Gama respectivamente.

 

Sábado dia 4 de Junho 2016, 21h30 no O’culto da Ajuda em Lisboa

Anne Kaasa - piano

PROGRAMA

Leoš Janáček - In the Mist

Fernando Lopes-Graça - 6 prelúdios dos “Vinte e quatro Prelúdios”

Manuel de Falla - Fantasia Baetica

Olivier Messiaen - 3 regards de “Vingt regards sur l’Enfant-Jesus”

Clotilde Rosa - Agitato

Clotilde Rosa - Model for John (My Messiaen Memories)

Este recital foi concebido em torno de dois compositores que têm marcado a história da música portuguesa dos séculos XX e XXI: Fernando Lopes-Graça e Clotilde Rosa. Queria colocá-los num contexto dos compositores europeus com as quais, de alguma forma, têm afinidade estética ou artística.

Assim: A inquietude constante, o cinzento e a tenebrosidade de Leos Janacek e o iberismo seco, solar, vigorosíssimo e totalmente desprovido de sentimentalismo de Manuel de Falla ao lado da escrita pianística pessoalíssima e intransigente de Lopes-Graça. A linguagem inconfundível de Olivier Messian ao lado do pós-serialismo de Clotilde Rosa, sendo estas linguagens totalmente afastadas e essencialmente diferentes, no entanto, tendo estes dois compositores em comum a extrema generosidade do gesto musical, a euforia das cores e a intensa poesia tímbrica.

Quis fazer deste concerto, com obras de compositores que admiro profundamente, um quadro em que as diferentes cores e texturas se valorizam e se intensificam.

Anne Kaasa

   

Sábado dia 11 de Junho 2016, 21h30 no O’culto da Ajuda em Lisboa

Elsa Silva – piano

PROGRAMA

John Cage – Sonatas e Interlúdios para piano preparado

Arnold Schoenberg – 6 Kleine klavierstücke, Opus 19

Jorge Peixinho – Harmónicos (piano e electrónica)

Filipe Pires - Figurações II

Miguel Azguime – Descriptions de la Matière (piano e electrónica) – estreia absoluta

Piano Alters

Neste recital no Oculto da Ajuda, ouviremos o piano a nu de Schoenberg e Filipe Pires, mas também dois dos seus alter egos: o piano preparado de Cage e o piano com eletrónica de Peixinho e Azguime.

Reuni neste programa alguns dos compositores que mais me fascinam não só pela sua imaginação sem limites mas também pelo poder que tiveram em agitar a história da música, desenhando novos caminhos e quebrando barreiras. Em Piano Alters percorreremos a era moderna do piano desde o serialismo de Schoenberg do Op. 19, onde se opera a busca de um novo idioma musical ligado a uma intensa exploração tímbrica do piano, caminho que nos aparece já cristalizado no dodecafonismo português da obra aberta Figurações II de Filipe Pires, passaremos pelo conceptualismo de Cage que inventa o piano preparado e nos leva a um universo sonoro desconcertante mas de uma riqueza sem par, visitaremos depois um exemplo da “atmosfera sonora onírica” que Peixinho sempre procurou através da obra Harmónicos, num íntimo diálogo camerístico entre o pianista e o seu “alter ego” eletrónico, e terminaremos na polifonia complexa e arrebatadora de Azguime em intensa interação com a eletrónica da obra Descriptions de la Matière.

Elsa Silva

 

Sábado dia 18 de Junho 2016, 21h30 no O’culto da Ajuda em Lisboa

Ana Telles – piano

PROGRAMA

Olivier Messiaen - Le Courlis Cendré (Catalogue d’oiseaux, VII vol., nº 13)

Jaime Reis - Lysosyme synthesis

João Pedro Oliveira - In Tempore (piano, electronica e video)

Paul Méfano - Mémoire de la porte blanche (piano)

Christopher Bochmann - Letter to Jean-Sébastien Béreau – estreia absoluta

Jean-Sébastien Béreau - Fragments de mémoire (piano e electrónica) *

* encomenda do Festival Dias de Música Electroacústica, realizada com a assistência técnica de Jaime Reis

 

Constellation(s)

Cada compositor é um mundo. Da conjugação das múltiplas vertentes da sua obra com a sensibilidade de cada um dos intérpretes que sobre elas se debruça, nasce uma constelação de possibilidades, de compromissos e entendimentos, de viagens de descoberta no espaço-tempo ilimitado da Arte. Muitas das minhas viagens, enquanto intérprete, tiveram e continuam a ter o universo estético de Olivier Messiaen como ponto de partida; assim é com o presente projecto, Constellation(s), que parte de uma das suas obras (talvez a que mais directamente me toca) e agrega, à maneira de uma constelação, vários compositores, portugueses (ou activos em Portugal) e franceses. As relações que se estabelecem vão desde a ligação mestre - discípulo, entre Messiaen e Paul Méfano ou Jean-Sébastien Béreau, até à semelhança de uma démarche relativa a modelos biológicos como matéria propulsora para a composição musical, como em Jaime Reis. A presença de elementos estéticos e de linguagem do grande mestre francês é detectável, em maior ou menor grau, em todas as obras seleccionadas. A exploração dos mais recentes repertórios para piano (particularmente português e francês) em conjugação com meios electrónicos, a partir da matriz que representa para mim a obra de Messiaen, define-me como intérprete.

Ana Telles

 

 

Sábado dia 25 de Junho 2016, 21h30 no O’culto da Ajuda em Lisboa

Joana Gama – piano

PROGRAMA

Tiago Cutileiro – lx02012015 (ebowed piano, melódica e fieldrecording) * 

Morton Feldman – Palais de Mari

* Encomenda Festival DME - Dias de Música Electroacústica

 

Gosto do jogo sensível das afinidades entre compositores, obras e suas motivações. De como uma ideia ou uma vontade pode demorar tempo - anos - até se concretizar; e o quão bom isso pode ser. Descobri Morton Feldman a partir de Mark Rothko e só depois a música do Tiago Cutileiro. Demorei alguns anos até conseguir visitar a Capela Rothko e até encontrar o contexto certo para tocar Palais de Mari, a última obra de Feldman, inspirada numa imagem de um palácio em ruínas na Síria. Apesar de despojada, a música de Feldman comporta um mundo plástico que sinto igualmente na música do Tiago. Quando toquei a sua peça Um Silêncio A Somar-se ao Silêncio com o Sond'Ar-te Electric Ensemble, pensei que gostaria de o desafiar a compor uma peça para piano e electrónica. Essa peça existe agora e nela vivem sons captados na cidade de Lisboa que deram origem à partitura para e-bowed piano e melódica.

Joana Gama

Telefone 213 620 382
Email Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Endereço Travessa das Zebras, 25/27 - 1300 Lisboa