Novos lançamentos Miso Records

7 e 14 de Outubro | 21h30
O'culto da Ajuda | Lisboa 

Novos lançamentos Miso Records, em formato pen-usb. Duas novas edições monográficas, de João Castro Pinto e António Ferreira.

 

ESOFONIA

João Castro Pinto

Obras acusmáticas (1999-2017)

Esofonia é uma antologia de peças acusmáticas que ilustra parte do percurso musical de João Castro Pinto (de 1999 a 2017). Apesar de serem denominadas como acusmáticas, as obras que aqui figuram são, mais precisamente, de natureza híbrida, i.e., oscilam drasticamente, em termos de quantidade e qualidade, entre o maximamente acusmático e o totalmente referencial. Não obstante, foi empregue o referido termo porque, na concepção estrutural de todas as composições, é patente um trabalho de pronunciada descaracterização das captações sonoras usadas como matéria prima.

O uso criativo do silêncio, o interesse pela exploração de timbres insólitos, a exploração intensiva de dinâmicas e gestos, o emprego de métodos composicionais experimentais, são qualidades que se destacam na música de João Castro Pinto.

João Castro Pinto iniciou sua atividade musical na década de 90, focando-se em música electroacústica / acusmática e soundscape composition. Licenciou-se em Filosofia pela Universidade Nova de Lisboa e encontra-se, actualmente, a finalizar um Doutoramento Ciência e Tecnologia das Artes – Informática Musical, na Universidade Católica Portuguesa, com uma dissertação sobre a composição da paisagens sonoras. Frequentou masterclasses de composição electroacústica com compositores de renome, como: François Bayle, Francis Dhomont, Barry Truax, Trevor Wishart, Simon Emmerson, Adrian Moore, Annette Vande Gorne, entre outros. Recebeu vários prémios, bolsas de estudo / distinções e publicou as suas peças / trabalhos sonoros em várias editoras, nacionais e internacionais. Apresentou seu trabalho ao vivo em mais de 150 concertos por toda a Europa, Estados Unidos e Ásia, em festivais e eventos como: Banc d’Essai 2016 – INA-GRM (França), Audio Art Festival 2016 (Polónia), Visiones Sonoras 2016 (México), MUSLAB 2015 (Argentina), I.C.M.C. - 2015 (EUA), Seoul International Computer Music Festival 2012 (Coreia do Sul), Experimental Intermedia Foundation 2001 (EUA), etc... Tem colaborado, ao vivo e em disco, com compositores, músicos e artistas das mais variadas proveniências.  

 
 
 
 
SOUNDABILITY
 
António Ferreira
 
Composições electroacústicas (2000-2017)
 

Esta edição documenta de um modo sistemático a produção electroacústica de António Ferreira, de 2000 a 2017.

Embora estas criações sejam relativamente recentes, os princípios estéticos fundamentais subjacentes a elas não o são, permeando grande parte da segunda metade do século XX. Além disso, estas criações são o resultado de uma longa caminhada que começou, para o autor, em 1980, quando durante uma viagem aos Países Baixos, ele encontrou um LP (naquela época tudo era vinil, é claro!) do compositor Bernard Parmegiani afiliado ao GRM. A primeira audição do De Natura Sonora, resultou na incompreensão total, só percebi que começou e minutos depois acabou! Muito mais tarde, eu encontrei o mesmo tipo de perplexidade quando várias pessoas, movidas pela curiosidade, tentaram ouvir as minhas próprias composições.

(...)

As composições estão divididas por duração. Não há nenhuma razão específica para fazê-lo. De facto, esta edição será provavelmente escutada de uma maneira não linear. O corpo principal chamado As Acusmáticas são composições electroacústicas "clássicas". A maneira como as compus bem como as propriedades do material sonoro constrangem a forma resultante. Daí originam composições com uma duração similar. As Miniaturas Electroacústicas são pequenas peças feitas para serem escutadas ao ar livre à medida em que se deambula por um "jardim sonoro", um projecto de Miguel Azguime que existia em algumas edições do Festival anual Musica Viva. As chamadas "Longas" são peças de maior duração; No meu caso, considero que as peças electroacústicas de mais de 12 minutos devem ser tratadas de forma mais específica. Neste tipo de estética composicional, as durações mais longas fazem exigências especiais (e mais difíceis) nas capacidades de escuta dos ouvintes.

 

 

 

 
 
 
FaLang translation system by Faboba